domingo, 19 de dezembro de 2010



Existem certas coisas que não me deixam pensar muito
É a essas coisas que eu me apego agora
Me agarro, me atenho
Como se minha vida dependesse delas
E às vezes chego a acreditar que dependem mesmo
Acredito que de tanto eu me mostrar como outra pessoa
Essa mudança acabe acontecendo aqui dentro também
Essa que ri, que desdenha, que ignora
Para esconder aquela que
Por vezes absurdas
Sente uma falta incomensurável
E de alma toda ainda chora
Eu gostaria que se lembrasse dessas suas promessas falsas
Mas não espero mais por isso
Nem desespero quando não cumpre
De tanto que me enganei
Já não acredito mais nem nas verdades
Se me torno desinteressada, indiferente
Ou até mesmo fria
É porque vejo que de nada vale o altruísmo
O mundo não merece a pessoa que eu sempre fui
Se hoje eu erro, sou desonesta, já nem ligo
A felicidade vem de dentro pra fora e não o contrário
E só eu sei das alegrias, das dores, das paixões...
Dos dissabores de todos esses sentimentos que trago comigo.

Um comentário:

Mayaraaaa :$ disse...

Gosto muito do que tu escreves. Tenta transmitir um pouco mais de emoção, abrindo o seu coração e diga o que vai nele. Continue. Beijos